domingo, 27 de junho de 2010

Trabalho

Então, um lavrador disse: "Fala-nos so trabalho".

E ele respondeu, dizendo:

"Vós trabalhais para acompanhar o ritmo da terra e da alma da terra. Pois ser indolente é tornar-se estranho às estações e afastar-se do cortejo da vida, que avança com majestade e orgulhosa submissão rumo ao infinito.

Quando trabalhais, sois uma flauta através da qual o murmúrio das horas se transforma em melodia.

Quem de vós aceitaria ser um caniço mudo e surdo quando tudo o mais canta em uníssono?

Sempre vos disseram que o trabalho é uma maldição, e o labor, uma desgraça.

Mas eu vos digo que, quando trabalhais, realizais parte do sonho mais longíquo da terra, desempenhando assim uma missão que vos foi designada quando esse sonho nasceu.

E, apegando-vos ao trabalho, estareis na verdade amando a vida. E quem ama a vida através do trabalho, partilha do segredo mais íntimo da vida.

Mas se, em vossas dores, chamardes o nascimento uma aflição e a necessidade de suportar a carne, uma maldição inscrita na vossa fronte, então eu vos direi que só o suor de vossa fronte lavará esse estigma.

Disseram-vos que a vida é escuridão; e no vosso cansaço, repetis o que os cansados vos disseram.
E eu vos digo que a vida é realmente escuridão, exceto quando há um impulso.
E todo impulso é cedo, exceto quando há saber.
E todo saber é vão, exceto quando há trabalho.
E todo trabalho é vazio, exceto quando há amor.
E quando trabalhais com amor, vós vos unis a vós próprios, e uns aos outros, e a Deus.
E que é trabalhar com amor?
É tecer o tecido com fios desafiados de vosso próprio coração, como se vosso bem-amado fosse udar esse tecido.
É construir uma casa com afeição, como se vosse bem-amado fosse habitar essa casa.
É semear as sementes com ternura e recolher a colheita com alegria, como se vosso bem-amado fosse comer-lhe os frutos.
É pôr em todas as coisas que fazeis um sopro de vossa alma,
E saber que todos os abençoados mortos vos rodeiam e vos observam.

Muitas vezes ouvi-vos dizer como se estivésseis falando no sono: "Aquele que trabalha no mármore e encontra na pedra a forma de sua alma é mais nobre do que aquele que lavra a terra.
E aquele que agarra o arco-íris e o estende na tela sob formas humanas é superior àquele que confecciona sandálias para nossos pés".
Porém, eu vos digo, não no sono, mas no pleno despertar do meio-dia, que o vento não fala com maior doçura aos carvalhos gigantes do que à menor das hastes da relva;
E grande é somente aquele que transforma o ulular do vento numa canção tornada mais suave pela sua própria ternura.

O trabalho é o amor feito visível.
E se não podeis trabalhar com amor, mas somente com desgosto, melhor seria que abandonásseis vosso trabalho e vos sentásseis à porta do templo a solicitar esmolas daqueles que trabalham com alegria.
Pois se cozerdes o pão com indiferença, cozereis um pão amargo, que satisfaz somente a metade da fome do homem.
E se espremerdes a una de má vontade, vossa má vontade destilará no vinho seu veneno.
E ainda que canteis como os anjos, se não tiverdes amor ao canto, tapais o ouvido do homem às vozes do dia e às vozes da noite".
(Gibran Khalil Gibran)

Amigos

Amigos são pessoas que nos ouvem, mas também falam o que temos que ouvir, sem machucar.

Amigos são pessoas em quem podemos confiar nos bons e nos maus momentos, sem medo.

Amigos são aqueles que nos permitem ser como somos e, mesmo assim, nos amam incondicionalmente, sem cobrar.

(Pe Jonas Abib para Luzia Santiago)

sábado, 26 de junho de 2010

Poema (A Nota)


Onde está a calma deste mundo?
Onde está o sossego? Onde está o sono?
Onde está a infância sem crime?
Onde está a namorada de velocípede?
Onde está o pátio com as andorinhas e a fonte?
E o rio de tua meninice? E as tardes de maio?
E as primeiras estrelas surgindo lá em cima da serra?
E os sonhos que penetravam pelas pálpebras?
E as sombras na parede? E o velho candeeiro familiar?
Isso tudo onde está? Isso tudo onde está?
O seio frio dos poços contém calma.
As chamas destruidoras contêm calma.
Os lagos dos suicidas contêm calma.
Mas vês essas mãos perfuradas de cravos?
E essas chadas sangrando? E esse peito arrombado?
E esse olhar compassivo? E esse Deus moribundo?
Tudo para te dar calma! Tudo para te dar calma!
(Jorge de Lima, 1936)

XXVI

Qualquer que seja a chuva desses campos
devemos esperar pelos estios;
e ao chegar os serões e os fiéis enganos
amar os sonhos que restarem frios.

Porém se não surgir o que sonhamos
e os ninhos imortais forem vazios,
há de haver pelo menos por ali
os pássaros que nós idealizamos.

Feliz de quem com cânticos se esconde
e julga tê-los em seus próprios bicos,
e ao bico alheio em cânticos responde.

E vendo em torno as mais terríveis cenas,
possa mirar-se as asas depenadas
e contentar-se com as secretas penas.

(Jorge de Lima)

quinta-feira, 24 de junho de 2010

Deus nunca falha


Certa vez, um homem pediu a Deus uma flor e uma borboleta.

Porém, Deus lhe deu um cacto e uma lagarta.

O homem ficou triste porque seu pedido veio errado, mas resolveu não questionar.

Passado algum tempo, para sua surpresa, do espinhoso e feio cacto, havia nascido a mais bela das flores.

E a horrível lagarta transformara-se em uma belíssima borboleta.


Deus sempre age certo, mesmo que aos nossos olhos pareça estar tudo errado.


Se você pediu a Deus uma coisa e recebeu outra, CONFIE!


Tenha certeza de que Ele sempre dá o que você precisa e no momento certo.


Nem sempre o que você deseja é o que você precisa.


Mas como Ele nunca erra na entrega de seus pedidos, siga em frente sem murmurar ou duvidar.


O espinho de hoje será a flor de amanhã.


(Autor desconhecido - enviado pela amiga Thaís Lima)

quarta-feira, 23 de junho de 2010

Da preocupação de escrever


Escrever... Mas por quê? Por vaidade, está visto...
Pura vaidade, escrever!
Pegar da pena... Olhai que graça terá isto,
Se já se sabe tudo o que se vai dizer!...

(Mario Quintana, O Espelho Mágico)

terça-feira, 22 de junho de 2010

Da observação


Não te irrites, por mais que te fizerem...
Estuda, a frio, o coração alheio.
Farás, assim, do mal que eles te querem,
Teu mais amável e sutil recreio...

(Mario Quintana)

Não sejas muito justo; nem mais sábio do que é necessário, para que não venhas a ser estúpido.

(Eclesiastes 7, 16)

Contigo é bem melhor

Contigo é bem melhor (Adriana)

Não posso caminhar
Com minhas próprias forças
Contigo é bem melhor
Contigo o pouco é muito
Sem Ti o tudo é nada
Minha vida é Teu mandar
O Teu caminho é o meu

Não, eu não posso, não vou
Dar um passo sequer
Se Deus não for comigo
Não irei jamais

(Anderson Freitas e Junior Maciel)

Nasci para administrar o à-toa.
o em vão.
o inútil.
Pertenço de fazer imagens.
Opero por semelhanças.
Retiro semelhanças de pessoas com arvóres
de pessoas com rãs
de pessoas com pedras
etc etc.
Retiro semelhanças de árvores comigo.
Não tenho habilidade pra clarezas.
[...]
(Manoel de Barros)