domingo, 2 de dezembro de 2012

A dor, companhia "non grata"


A dor existe. Ela é real. Está aqui.
E dói muito. E dói tanto.
Que, às vezes, dá vontade de chorar.
Outras vezes, choro.
Choro mesmo sem querer.
Porque dói.
Martela. Fisga. Queima.
Importuna.
O ombro direito sente o peso.
O peso das tarefas, do trabalho, da responsabilidade.
Da ansiedade.
As pernas não se aquietam.
E batem.
E cansam.
E incomodam.
Assim como a dor.
Que sobe pelo pescoço.
E irrita.
Remédios não dão jeito.
E isso é desesperador.
Não existe fórmula  mágica.
Ela está aqui comigo e eu não a quero.
Não a desejo. E ela não vai embora.
Sinto vontade de eu mesma ir, então.
Mas, aí, seria muito desaforo!!!
Deixar meus livros, minhas músicas, meus filmes, meus pais, minha família, meu marido...
Não, não.
Se ela não vai, que fique.
Porém, eu que não vou deixar quem eu amo.
Então, senhora dor, pode tratar de se conformar, pois lhe garanto, entre você e eu, eles vão orar a Deus para ficar comigo.
Apenas comigo. Sem você.
Pois, um dia, se Deus permitir,  você vai se tornar tão insignificante, que nem vou me dar conta de sua presença.
E isso vai doer tanto em você, senhora dor, que irá embora por despeito.
E eu? Sentir sua falta?
Não me faça rir... Estou de joelhos dobrados esperando por esse dia!
O dia em que a dor será apenas resplendor...

Os dez mandamentos do bom gestor na sociedade do conhecimento



1.   Reconhecer que a escola apresenta novas funções na Sociedade do Conhecimento e que precisa romper com a distância entre o que ensina e o que a comunidade e os alunos precisam fora da instituição escolar e embasar suas práticas nos quatro pilares de sustentação da educação: aprender a ser, aprender a fazer, aprender a conhecer e aprender a conviver.

2.   Saber liderar e ter consciência que seu próprio papel enquanto gestor está fundamentado nos quatro pilares: aprendendo a conhecer a comunidade ao entorno da escola e sua clientela; aprender a planejar e fazer a escola que almeja; aprender a conviver com tantas pessoas diferentes, partilhando com elas decisões e saberes; e aprender a utilizar os próprios dons para o crescimento da instituição escolar e na formação contínua.

3.   Auxiliar a construção do projeto pedagógico, conhecê-lo e aplicá-lo em suas práticas diárias. E motivar a equipe pedagógica para que os alunos tenham acesso, de fato, ao conhecimento sistematizado, à cidadania, ao trabalho e à cultura, sendo capazes de pensar criticamente e com princípios de ética.

4.   Conhecer o currículo e os processos de ensino.

5.   Ouvir todas as partes interessadas na escola, valorizando os docentes, e partilhar decisões. E, assim, promover uma gestão democrática, com a participação coletiva.

6.   Mediar conflitos, sabendo falar, mas, sobretudo, sabendo ouvir.

7.   Garantir espaço de reflexão a todos os integrantes da escola, oportunizando, ainda, que o ambiente escolar seja espaço onde se cria sua própria cultura, que não é eterna. Tendo assim, uma visão holística da realidade escolar.

8.   Ser organizado e disciplinado, sendo proativo, mas também sabendo delegar e conclamar colaboradores.

9.   Flexível, mas firme em seus valores, sempre com sinceridade.

10.       Ser dedicado e estar em constante atualização profissional e pessoal.

Fontes das imagens: Google Images e Getty Images.